Repensando a prática pedagógica da linguagem: a leitura, a escrita e o idoso – Marlene Dias Pereira Pinto

Os idosos analfabetos (ou semianalfabetos ou analfabetos funcionais), devido a diversos mecanismos e acontecimentos, são frequentemente excluídos da interação social e, assim, perdendo, muitas vezes, o sentido da linguagem-instrumento indispensável para o desenvolvimento das funções mentais superiores. A linguagem comunicativa fragilizada tende a inibir o aprendizado e, por consequência, o desenvolvimento.

O trabalho exposto teve como objetivo apresentar a proposta de um projeto pedagógico de alfabetização e letramento com idosos que busca resignificar a relação do idoso com o ato de ler e escrever. Ao mesmo tempo, a proposta proporciona, aos bolsistas de extensão da universidade, a elaboração de uma prática pedagógica voltada para as especificidades dessa faixa etária.

Treze anos após sua apresentação, o trabalho continua ativo e sua relevância é constatada no
desenvolvimento significativo dos alunos idosos contemplados.

Para ler o artigo na íntegra, associe-se. Caso já seja assinante, faça login.

As questões relativas à alfabetização no Brasil têm sido permanentemente discutidas, uma vez que o analfabetismo é uma constatação na estatística de nosso país. Apesar de muitos serem os fatores que contribuam para essa situação, parto da hipótese de que não há uma proposta pedagógica de alfabetização de qualidade, se os professores não estão atualizados e envolvidos com o processo ensino- aprendizagem da leitura e da escrita.

Assim, considerando a formação do professor um caminho para a melhoria do quadro de analfabetismo, o Programa de Alfabetização, Documentação e Informação – PROALFA, do Centro de Educação e Humanidades, da Universidade Estadual do Rio de Janeiro - UERJ, em parceria com a Universidade Aberta da Terceira Idade – UnATI, vem desenvolvendo, desde 1996, um projeto pedagógico voltado para o idoso com interesse na leitura e escrita e, ao mesmo tempo, um espaço de construção de conhecimento e prática para o universitário comprometido com o processo ensino-aprendizagem do ler e escrever das pessoas em idade avançada... Para ler o artigo na íntegra, associe-se. Caso já seja assinante, faça login.

equipe-marlene

Marlene Dias Pereira Pinto

Psicóloga, pedagoga, psicopedagogia, mestre em Educação pela UERJ. Atendimento psicopedagógico clínico; coordenadora psicopedagógica do Proalfa/UERJ; professora do curso de especialização em Psicopedagogia /UERJ; coordenadora acadêmica do curso de especialização em Psicopedagogia/AED. Resende; professora e pesquisadora do Tekoa, membro da diretoria da abpp-rj.